sábado, fevereiro 23, 2008

Agradecimento I

Para o P. e o J.

Nos dias nem sempre fáceis recebemos mensagens que, deixam os outros felizes: «Preciso que venhas ao bloco. Muita medula». Conheço a história e dispenso os detalhes. Não sinto o mesmo entusiasmo dos outros. É muita medula (situação rara). O trabalho é meu. Mas, ainda não aprendi a alhear-me, não consigo distanciar-me e deixo-me cobrir por um “véu negro”. Os meus dois amigos de bancada tentam entusiasmar-me, mas eu perco a capacidade de sorrir. Em dias “normais” eu brincaria com tudo, até com as palavras. Nos dias de “muita medula” eu quero apenas arranjar coragem para trabalhar. O P. é o primeiro a aperceber-se, e, como também brinca com as palavras, diz que sou «cristalina como a água da montanha». Pela mesma razão o P. também é o primeiro a tentar restituir-me a alegria: “Deixa Jasmim, eu faço-te essa parte do trabalho!”. Agradeço, mas recuso, já me tinha auto-convencido que a minha angústia teria que valer a pena. Entretanto chega o J. que tem sempre um ar de quem lhe-passa-tudo-ao-lado, mas não, de nós os três será talvez o mais atento ao estado anímico dos outros.
O J. tem sempre um sorriso no rosto, pergunta-me se vou precisar de usar a câmara toda. Eu respondo-lhe que não.
- Então chega-te para lá, que nós vamos precisar deste canto para trabalhar – dizem-me. Sentam-se os dois ao meu lado e começam a falar de livros e de filmes. Como sempre acabamos, os três, a rir.
Quando finalmente termino o trabalho, reparo que aqueles dois meninos não tinham feito rigorosamente nada e pergunto:
- Mas afinal vocês não fizeram nada?!
- Enganas-te! – respondem-me – Fizemos-te rir! E, esse era o nosso trabalho de hoje!
Fiquei sem palavras e com os olhos rasos de água e suas excelências novamente a brincar:
- Vamos lá a sorrir, porque não vamos ficar aqui mais uma hora a contar-te estórias!
Nos dias de "muita medula”, tenho “dois-anjos-da-guarda”.
Obrigada.


Canela

7 comentários:

trovador disse...

Recuso me a dizer que é um ótimo post. ¬¬

Está ficando "clichê" dizer tais palavras. Diria antes que está tão sincero, tão humilde, tão doce e divino que perdi as palavras.

É sério. Adoro a simplicidade e a humildade de textos como este seu...
Adoro você de um todo, é uma figura marcante na minha vida, já.

E percebe que por mais que fique mal ou ruim, sempre terás a força dos outros que cativa. E nem sou eu que digo, é uma constatação.

Beijos, doce Canela... (Pra ti o elogio de "doce" ficou perfeito ^^)
Au revoir o//

trovador disse...

Quando estiveres no meu blog, vê se abaixo do "Converse comigo!" estou como on line...

Se estiver, manda-me uma mensagem o/

Funciona como "Mensagens Instantaneas" entre os visitantes e o administrador do blog ^^

Beijos doce Canela =*
Au revoir...

Canela disse...

Olá Doce Trovador!
Julgo que admiramos nos outros as mesmas características, tais como: humildade, simplicidade, sinceridade e a doçura que carregam nas palavras, nos gestos e no olhar.
Também parece que gostamos das mesmas palavras. Eu adoro o termo “Cativar”. Como diria Antoine De Saint- Exupery «… só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.». E, tu sabes fazer isso muito bem. Aprendes-te a ver com o coração! Bem hajas Doce Trovador, pessoas como tu são verdadeiras preciosidades.
Prometo que quando visitar o teu Blog e tu estiveres “on-line” falarei contigo.
Beijinhos

Celeste disse...

Agradece e dá um beijinho aos teus anjos-da-guarda por mim.
Eu não os conheco, mas se te fazem sorrir em "dias de muita medula" merecem ser agradecidos.
Já agora um beijinho ao teu pai e pensamentos positivos.

celeste disse...

Beijinhos para a tua mãe também é claro.

celeste disse...

e a Dini

Canela disse...

Os “meus-anjos-da-guarda” continuam a dar-me um apoio incondicional e inestimável. Ainda hoje, quando me viram fraquejar correram em meu socorro. O J. sempre atento ao meu estado anímico e o P. sempre a tentar brincar para me desviar a atenção do que não consigo. Um beijinho de todos para todos e uma lambidela da mimada da Diny