segunda-feira, novembro 03, 2008

Paixões




A botânica sempre foi, e deduzo que será, uma das minhas paixões. Não nascera eu para ser o que sou, e era à botânica que dedicava o meu precioso tempo. «Dedicava» é, neste contexto, um termo inapropriado, uma vez que, em tempos idos fiz um herbário e “obrigava” (ok! tirem as aspas) os meus pais a irem comigo colher plantas, a identificarem-nas e a secarem-nas, para posteriormente eu as catalogar e colar nas preciosas folhas do meu herbário.
Os meus pais aprenderam imenso, o «imenso» pertence-lhes. Eu bendigo a sorte por não ter quem me faça o mesmo.
Volta e meia lá dou comigo a abrir as folhas do meu precioso herbário, para lhe sentir o meigo aroma do chá.
Ora, é certo e sabido que quando tenho mais trabalho me dedico a tudo menos ao que tenho, imperiosamente, que fazer, por esta simples razão voltei à botânica.
E, então não é que encontro o Species Plantarum de Carl Linnaeus de 1753. Num site que me tem consumido todo os resquícios de tempo livre (se é que posso chamar livre ao tempo de pausa entre escrita).
Se gostarem de botânica (e já agora de latim), nem que seja um bocadinho, vão adorar. Sigam o meu conselho e espreitam, vá lá.


Imagem retirada daqui.

Canela

3 comentários:

Anónimo disse...

De botânica gosto de algumas coisas...principalmente das gerbéricas que faço questão de ter sempre nas jarras cá de casa! Gosto sobretudo de saber a sua fisiologia, da sistemática deixo para outros...de qualquer forma obrigada pela dica!
Piro

Canela disse...

De Botânica gosto de todo, mas guardo em um modo quase perfeito a imagem da Mimosa pudica, e das suas folhas a fecharem-se sempre que alguém lhe tocava!!!
Tão pudica!!!

Beijoquinhas

Anónimo disse...

Haja paciência...como dizia o meu formador, os homens ao chegar aos 40 ficam mais ajuizados(!), as mulheres a partir dessa idade ficam menos...cada um que tire as suas conclusões!
Piro