domingo, abril 12, 2009

No muito que tenho e no tanto que me falta…

Falta-me o tempo para estar com os amigos,
Faltas-me Tu,
Falta-me o meu “Mar”,
E a imensidão da “Lua”

No tanto que tenho fica a constante lembrança do tempo que não deixo passar, das datas que foram, mas que na inversão do tempo, ainda são:
O dia 30 de Março permanece. É hoje. Será sempre…


Exactamente como foi, o medo de me enganar
mais tarde na memória – é tudo o que me resta: estar
de noite às escuras a pensar em ti

E se me lembro mal, se troco as vezes, naquela
quinta-feira o dia do amor em vez de ser
na segunda, o erro surge-me gigante, um peso carregado como Atlas


Por isso é que preciso de lembrar coisas
exactas, como aconteceu tudo; não só
transpor depois para a ficção recolhida, sou eu
que te preciso e dos teus dias
que me foram meus

Lembrar-me exactamente como foi, o que usei
nesse dia e o que usei no outro, até que horas
tudo, se havia gente ou não
e em que dia. Porque as palavras depois se
reconstroem

O que se disse então torna-se fácil.
Assim dito parece coisa pouca,
lugar comum e
fácil, mas as noites são grandes

e lembrar-te
exactamente
de uma forma correcta

é-me tão importante
dentro das noites a pensar em ti
sabendo: não te vejo nunca mais.


Poema de Ana Luísa Amaral in “O Exacto Curso do Rio”, ligeiramente alterado: onde se lê: «segunda», deve ler-se: quarta


Mesmo sabendo que nenhuma palavra de Desculpa me desculpa, envio-Te as palavras e as rubras flores. Para Ti meu “Doce Mar”. Muitos parabéns.


Canela

4 comentários:

magopatologico disse...

Se eu fosse o Rafa, estaria chorando por tão bela homenagem ^^

Parabéns pela sensibilidade, de se lembrar de um amigo mesmo quando se está no olho de um tufão!

Beijos, minha musa do além-mar!

Canela disse...

Obrigada Lindo!

Mas se eu fosse o Rafa estava furioso por tão grave atraso!

Já agora, e desculpa a curiosidade, quando é o teu aniversário????
Envia-mo por "E-mail"

Tens toda a razão em pleno centro do olho do tufão, e que tufão!!! Que seja o que Deus quiser, por agora tenho-me aguentado, como sempre.

Beijinhos minha Estrela Ternurenta

magopatologico disse...

Ôh, minha querida... antes de você perceber esse tufão já se foi.

meu aniversário é dia sete de julho, um canceriano do inverno aqui do sul... tão de lua quanto o clima de são paulo XD

beijos! ^^

trovador disse...

Ah, claro, como não comentar aqui?!
Como fiz isso?
Nem eu sei... Li esse post algumas vezes e não comentei nenhuma vez. Devia ter comentado todas as vezes! Obrigado pelo post, minha doce canela, obrigado mesmo.

Adorei os versos, teus e de Ana Luisa Amaral, adorei mesmo, do fundo do coração.

Aconteceu-me tanta coisa, mudei de cidade, como vc deve se lembrar, mas então voltei depois de um mes, por ter passado numa faculdade aqui na minha cidade mesmo.

Sinto saudades de ti, doce canela, saudades demais :/

beijooos